CaÊ
Karma Coletivo de Artes Cênicas

Teatro

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

16h

02/04

Sinopse: CaÊ segue a vida na velocidade de sua bicicleta. De lugar em lugar, de caminho em caminho, vai plantando e colhendo sonhos por onde passa. Mas, para quem está na estrada, cada encontro pode ser uma surpresa. Cada parada pode ser uma chance para encontrar algo novo. E cada noite é uma porta de entrada para outros mundos ainda mais surpreendentes...


Origem do espetáculo: Itajaí/SC


Ficha técnica: 

Atuação: Mauro Filho

Dramaturgia e encenação: Max Reinert

Figurino: Denise da Luz

Desenho nos figurinos e adereços: Kim Coimbra

Costuras: Lélia Machado

Adereços: Karma Cia. de Teatro e Max Reinert

Operação técnica: Leandro Cardoso e Pietra Garcia

Ambientação sonora: Hedra Rockenbach

Animações: Leandro Maman

Programação visual e fotografia: Des

Produção: Karma Cia. de Teatro

Aos finais de semana os espetáculos serão gratuitos e abertos à comunidade. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do teatro, uma hora antes da apresentação (Sujeito a lotação).

O show não pode parar
Cia. Mahallo

Circo

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

16h

03/04

Sinopse: “O show não pode parar” conta a saga do palhaço Ribity e da Marina bailarina. A história acontece num dia de espetáculo em que estão aguardando a chegada de um artista internacional como convidado, mas Ribity achou que tinha que pegá-lo na rodoviária e não no aeroporto, portanto o artista não chegou na hora do show. A bailarina percebe que o palhaço terá que fazer os números de risco do artista. Enquanto tentam disfarçar e mostrar que está tudo bem, o espetáculo acontece, de forma divertida e poética. Todos os números complicados que o artista internacional faria o palhaço Ribity terá que fazer! Será que vai dar certo?


Origem do espetáculo: Curitiba/PR


Ficha técnica: 

Fábio Salgueiro e Marina Prado

Iluminação e sonoplastia: Leonardo Taques

Aos finais de semana os espetáculos serão gratuitos e abertos à comunidade. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do teatro, uma hora antes da apresentação (Sujeito a lotação).

Alice no Brasil das Maravilhas
Essaé Cia

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

16h

10/04

Teatro de Bonecos de Luz Negra

Sinopse: A famosa história de Lewis Carroll, na adaptação feita por Sérgio Tastaldi para o teatro de animação, é ambientada no Brasil. Alice vive numa fazendinha, curte a natureza e adora frutas e sucos naturais. Ao seguir o Sapo Cururu, ela cai num buraco e vai parar num mundo totalmente estranho, onde ela encontra bichos que fazem parte da nossa fauna, como o tucano, o mico-leão, o papagaio e o bicho-preguiça. Todos alertam Alice em relação à malvada Rainha das Copas. No entanto, para conseguir voltar para casa, Alice precisa disputar com ela uma partida de futebol. Mas não é fácil ganhar da Rainha.

Alice no País das Maravilhas é uma aventura cheia de emoção e de bom humor, protagonizada por bonecos que se movimentam de maneira mágica, sob o efeito de luz negra. Sua trilha sonora, especialmente composta para o espetáculo, é rica em ritmos brasileiros, como chorinho, samba, samba de breque, valsa e caipira. Espetáculo encantador para crianças de todas as idades.Alice vive numa fazendinha, curte a natureza e adora frutas e sucos naturais. Certo dia, quando escolhia a sombra de uma árvore onde se sentava para ler um livro, encontra o estranho e apressado Sapo Cururu. Ao segui-lo, acaba por cair num buraco e vai parar num mundo totalmente estranho, onde encontra bichos como o tucano, o mico-leão, o papagaio e o bicho-preguiça, além de um chapeleiro maluco. Todos alertam Alice em relação à malvada Rainha das Copas. No entanto, para conseguir voltar para casa, Alice precisa encontrá-la e disputar com ela uma partida de futebol. Mas não é nada fácil ganhar da Rainha!


Origem do espetáculo: Joinville /SC


Ficha técnica: 

Concepção e Texto: Sérgio Tastaldi

Músicas: Sérgio Tastaldi

Manipulação: Cassio Correia, Bruna Campagnolo e Sônia Biscaia

Operação de Som e Luz: Jackson Luiz Amorim

Direção e bonecos: Sérgio Tastaldi

Aos finais de semana os espetáculos serão gratuitos e abertos à comunidade. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do teatro, uma hora antes da apresentação (Sujeito a lotação).

Zum Zum Zum – O Musical
Tupi Pererê

Música e Teatro

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

16h

09/04

Sinopse: Misturar música e poesia para relembrar a infância é a grande aposta do Grupo Tupi Pererê, em Curitiba. O musical "Zum Zum Zum", voltado para crianças e adultos, é cheio de jogos de improvisação, dirigidos por Lu Paes, e tem como fio condutor as estações do ano. O grupo traz histórias clássicas para cada estação, recontadas com um roteiro atraente e canções originais, sob a direção musical de Beto Collaço. De acordo com o grupo, infância é aquela época em que o ser humano tem tempo para se espantar com o sensível e o sublime. “O adulto vai perdendo essa capacidade e a criança de hoje está cada vez mais lotada de afazeres que a afastam dessa contemplação. Nosso desejo é que o adulto abra as suas caixinhas de memória e volte a se sensibilizar com o belo e a criança seja estimulada a perceber poesia ao seu redor”, conta Guga Cidral, artista educador componente do grupo. O Tupi Pererê possui ampla vivência em ações voltadas a instituições de ensino. Essa experiência fez com que projetos ousados fossem desenvolvidos. E o que no início era um grupo musical para crianças, se transformou em uma trupe artística em prol da infância e composta por profissionais com formações variadas que se dividem no papel de músicos, cantores, atores, educadores e artistas plásticos. São eles: Guga Cidral, Ithyara Tainá, Daniel Arenhart, Fabinho Barbosa e Ramon Campos. Hoje, esse quinteto também já ganhou os espaços culturais da cidade com um repertório de shows e musicais e muitas oficinas. Na bagagem, mais de mil apresentações, cerca de 100 mil espectadores, parceiros de peso e uma coleção de gestos de carinho de crianças e adultos.


Origem do espetáculo: Curitiba/PR


Ficha técnica: 

Direção: Lu Paes

Direção Musical e arranjos: Beto Collaço e Daniel Arenhart

Direção de arte: Guga Cidral

Elenco: Guga Cidral, Ithyara Tainá, Ramon Campos, Daniel Arenhart Standin e Fabinho Barbosa

Técnica: Wilson Lirou e Léo Domanski

Aos finais de semana os espetáculos serão gratuitos e abertos à comunidade. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do teatro, uma hora antes da apresentação (Sujeito a lotação).

Quer brincar de alguma coisa? coisa!?
Rás em parceria com o Pé no Palco

31/03

Teatro

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

15h

Sinopse: Dois brincantes se encontram para falar de brincadeiras. Falam também de seus desejos e seus tédios. Saem cantando em busca de uma coisa nova. Cada um percebe as novidades de jeitos diferentes e vão se conhecendo melhor e entendendo melhor o mundo e as coisas que encontram. Que coisa falta encontrar? Os brincantes fazem magias com seus corpos e com seus cantos que passeiam por vários lugares diferentes. Usufruindo do Brasil brincante. Eles vão se entendendo e descobrindo coisas e mais coisas. De dentro de uma caixa mágica saem grandes respostas: trocar ideias, inventar e se perceber unidos pela amizade. Essas respostas fazem tudo voltar ao começo só que agora é um novo começo! Que coisa!

Através da imaginação passamos por diversas culturas, mesclando estéticas e criando nossa própria identidade que vai do Blues até o Forró, do Canto Lírico ao Rock n' Roll. Já que vivemos nesse mundo cheio de informações, por que não deixar a criatividade livre para despertar novas conexões? Uma atriz e um ator em cena, cantam, dançam, tocam e contam a saga que é estar em busca de alguma coisa. A interatividade com o público se estabelece nas diversas linguagens do espetáculo, através do visual, da contação, das palavras, no jogo e da troca de olhares entre atores e plateia, no campo sensível, no campo da imaginação e através das músicas compostas especialmente para o espetáculo.


Origem do espetáculo: Curitiba/PR


Ficha técnica:  Este é um trabalho de “direção e dramaturgia de encontro” realizado por: Alini Maria, Saulo Soul e Fátima Ortiz. Produzido pela Rás em parceria com o Pé no Palco.

Programação destinada a alunos do Colégio SESI.

CaÊ
Karma Coletivo de Artes Cênicas

Teatro

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

15h

01/04

Sinopse: CaÊ segue a vida na velocidade de sua bicicleta. De lugar em lugar, de caminho em caminho, vai plantando e colhendo sonhos por onde passa. Mas, para quem está na estrada, cada encontro pode ser uma surpresa. Cada parada pode ser uma chance para encontrar algo novo. E cada noite é uma porta de entrada para outros mundos ainda mais surpreendentes...


Origem do espetáculo: Itajaí/SC


Ficha técnica: 

Atuação: Mauro Filho

Dramaturgia e encenação: Max Reinert

Figurino: Denise da Luz

Desenho nos figurinos e adereços: Kim Coimbra

Costuras: Lélia Machado

Adereços: Karma Cia. de Teatro e Max Reinert

Operação técnica: Leandro Cardoso e Pietra Garcia

Ambientação sonora: Hedra Rockenbach

Animações: Leandro Maman

Programação visual e fotografia: Des

Produção: Karma Cia. de Teatro

Programação destinada a alunos do Colégio SESI.

Zum Zum Zum – O Musical
Tupi Pererê

Música e Teatro

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

16h

08/04

Sinopse: Misturar música e poesia para relembrar a infância é a grande aposta do Grupo Tupi Pererê, em Curitiba. O musical "Zum Zum Zum", voltado para crianças e adultos, é cheio de jogos de improvisação, dirigidos por Lu Paes, e tem como fio condutor as estações do ano. O grupo traz histórias clássicas para cada estação, recontadas com um roteiro atraente e canções originais, sob a direção musical de Beto Collaço. De acordo com o grupo, infância é aquela época em que o ser humano tem tempo para se espantar com o sensível e o sublime. “O adulto vai perdendo essa capacidade e a criança de hoje está cada vez mais lotada de afazeres que a afastam dessa contemplação. Nosso desejo é que o adulto abra as suas caixinhas de memória e volte a se sensibilizar com o belo e a criança seja estimulada a perceber poesia ao seu redor”, conta Guga Cidral, artista educador componente do grupo. O Tupi Pererê possui ampla vivência em ações voltadas a instituições de ensino. Essa experiência fez com que projetos ousados fossem desenvolvidos. E o que no início era um grupo musical para crianças, se transformou em uma trupe artística em prol da infância e composta por profissionais com formações variadas que se dividem no papel de músicos, cantores, atores, educadores e artistas plásticos. São eles: Guga Cidral, Ithyara Tainá, Daniel Arenhart, Fabinho Barbosa e Ramon Campos. Hoje, esse quinteto também já ganhou os espaços culturais da cidade com um repertório de shows e musicais e muitas oficinas. Na bagagem, mais de mil apresentações, cerca de 100 mil espectadores, parceiros de peso e uma coleção de gestos de carinho de crianças e adultos.


Origem do espetáculo: Curitiba/PR


Ficha técnica: 

Direção: Lu Paes

Direção Musical e arranjos: Beto Collaço e Daniel Arenhart

Direção de arte: Guga Cidral

Elenco: Guga Cidral, Ithyara Tainá, Ramon Campos, Daniel Arenhart Standin e Fabinho Barbosa

Técnica: Wilson Lirou e Léo Domanski

Programação destinada a alunos do Colégio SESI.

Circo da Madame Virgulina

07/04

Circo

1024px-DJCTQ_-_L.svg.png

Indicação Livre

15h

Sinopse: Madame Virgulina que tanto queria participar de um grande espetáculo criou seu próprio circo. No seu show realiza números de destreza como: mágica, malabares e equilíbrio. O público, peça chave fundamental para seu sucesso, se torna seu fã clube (sem ao menos saber disso). Então se você for assistir, leva um cartaz ou pede um autógrafo, isso ajuda a autoestima da Madame.


Origem do espetáculo: Curitiba/PR


Ficha técnica: Camila Cequinel

Programação destinada a alunos do Colégio SESI.